"Se você tem metas para um ano. Plante arroz. Se você tem metas para 10 anos. Plante uma arvore. Se você tem metas para 100 anos então eduque uma criança. Se você tem metas para 1000 anos, então preserve o meio Ambiente." (Confûcio)

domingo, outubro 30, 2011

O VALE DO CATIMBAU: UMA ÁREA A SER ESTUDADA


Separei para vocês uma boa entrevista que a Jacqueline Silva do Leia Mais fez com a professora da UFRPE Dra. Ednilza Maranhão, líder de um grupo de pesquisas em conservação e uso sustentável do bioma caatinga. Muito esclarecedora.

Qual o "retrato" atual do bioma caatinga em relação à conservação e/ou destruição?

Bem, em primeiro gostaria de agradecer o convite e dizer que falar Bioma Caatinga é sempre uma satisfação enorme. Esse bioma, exclusivamente brasileiro, deveria ter mais atenção por parte dos nossos governantes. Ele apresenta diferentes feições, o que o torna mais admirável e interessante do ponto de vista da sua biota, com destaque para as adaptação às condições semiáridas. Apesar de crescente interesse, basicamente pelo incentivo do MMA, atualmente as pesquisas vem crescendo e revelando potencialidades dos recursos naturais registrados para o bioma, todavia, ainda há muito que desvendarmos. E precisamos dessas descobertas para embasar e dar força à defesa dessas diferentes paisagens, bem como conseguir manter o homem no semiárido e conservar uma parcela representativa do potencial genético que ainda existe. Com tanta coisa para descobrir na Caatinga, tem-se o risco desse bioma desaparecer sem antes ser estudado por completo. O desmatamento é hoje o pior inimigo do bioma e também do sertanejo. A indústria, principalmente de gesso, vem contribuindo com a destruição da Caatinga, o empobrecimento do solo, a desertificação e o abandono das terras pelo homem. Perdemos cerca de 50% do Bioma e os dados evidenciam que essa destruição é crescente e sem limite. Precisamos de políticas mais direcionadas para minimizar os impactos e/ou estratégia alternativas de utilizar o recurso de forma sustentável

Como avaliar a biodiversidade do Vale do Catimbau?

O Vale do Catimbau é o nosso único Parque Nacional de Pernambuco no semiárido. Nesse local, além das belas paisagens, com destaque para as Caatingas e Brejo de Altitude, há a importância histórica e geomorfológica. É uma das áreas com maior riqueza de anfíbios e repteis na região semiárida de Pernambuco e tem muita coisa ainda para se descobrir. Através de pesquisas recentes tem sido possível documentar vários táxons novos entre invertebrados, principalmente abelhas, e também vertebrados.

Fale um pouquinho sobre suas pesquisas no Vale do Catimbau e como os resultados estão ajudando a conservação da biodiversidade do local?

Até o momento foi pontuado 12 área de interesse para Herpetofauna (estudo dos anfíbios e répteis) no Vale do Catimbau, entre essas duas espécies novas de Squamata (um lagarto um anfisbenídeos), até o momento considerado endêmico e acreditamos que mais espécies novas serão publicadas pois existe áreas ainda para ser inventariadas. Uma das áreas de grande relevância biológica é o brejo São José, um dos locais que é possível identificar elementos de Caatinga e também da Mata Atlântica

Por ser uma Unidade de Conservação do tipo Parque Nacional, muitos pesquisadores relatam falhas na gestão do parque (como por exemplo: falta do plano de manejo, presença de habitantes dentro da área, corte e queimadas de vegetação nativa entre outros) vc concorda com esta opinião?

Infelizmente sim. O PARNA enfrenta problemas graves um deles está relacionado com questões fundiárias. Tem muita gente que ainda não foi indenizada pela desapropriação das terras e existe também os aproveitadores, aqueles que não são moradores, mas recentemente estão invadindo as áreas dentro dos limites do parque com o objetivo também de receber uma indenização do governo. Existe um desconforto quando se falar em Guia e a comunidade, todo mundo quer ganhar um dinheirinho com o turista e com isso não existe uma organização. Pare resumo ir o Parque necessita urgentemente de um bom gestor. Esse administrador dessa UC não pode trabalhar isoladamente tem que buscar parcerias com a comunidade local de forma transparente e juntos definir regras e prioridade. É muito triste visitar áreas com pinturas rupestres e ver painéis destruídos por vândalos, área sendo desmatadas, pessoas caçando, bichos sendo atropelados nas estradas que dar acesso aos limites parque e não se ter uma estratégia ou uma fiscalização para isso precisa de um bom gestor e uma equipe de fiscalização atuante.

O que você sugeriria para melhorar/adequar o parque, para que haja efetivamente o uso sustentável?

Segundo o SNUC (Sistema nacional de Unidade de Conservação) o PARNA é de proteção integral. Tem como objetivo básico a preservação de ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza cênica, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental, de recreação em contato com a natureza e de turismo ecológico

O CNPq estar com um edital aberto exclusivamente voltado para pesquisas em Unidades de Conservação de bioma caatinga, e neste edital o Parque do Catimbau foi contemplado. Como vc acredita que este edital ou pesquisas nesta região poderão ajudar no cenário de desconhecimento, impactos e destruição que são relatados para área?

Acredito que o instrumento mais eficiente para melhor manejar o parque é a informação, esse edital é na realidade uma luta de vários pesquisadores e ONG preocupados com as UCs e o Catimbau merece. Com os estudos será possível se ter um diagnóstico real e atual sobre essa U.C. e direcionar melhor as medidas e conservação. Todavia é interessante que todos os seguimentos e áreas diferentes de pesquisas sejam contempladas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário